INFRAESTRUTURAS PARA A VIDA COTIDIANA

Há algum tempo venho falando sobre a inoperância das administrações públicas no que se refere à criação de equipamentos que possam elevar a qualidade da vida diária dos habitantes das nossas cidades.

Por mais bem intencionada que seja a iniciativa privada, há coisas que só o poder público pode realizar ou idealizar, pois a elevação da qualidade da vida urbana não pode ter como objetivo o lucro financeiro.

Recentemente, li um artigo de josep Maria Montaner em El País em que aborda as políticas urbanas atuais de Barcelona, no que considera um momento decisivo para a cidade e sua população. Além de comentar como se dá uma real participação popular (muito diferente de apenas pôr em discussão temas irrelevantes) ele menciona os equipamentos urbanos que já estão sendo planejados, assim como indica que outros tipos de equipamentos serão criados a partir do reconhecimento da real necessidade de igualdade entre homens e mulheres.

Sob o título genérico infraestruturas para a vida cotidiana, Montaner fala da criação de novas bibliotecas de bairro, que propiciam a vida cultural e social; a remodelação dos mercados de bairro e dos seus entornos, o que enriquece as relações entre vizinhos; e as muitas propostas para centros de criatividade, aproveitando antigos complexos industriais da cidade. Tudo isso amparado pela construção de ‘habitação protegida’ construida pelo poder público para abrigar não apenas as familias mas também grupos especiais como os idosos, os jovens, etc.

Bem igual ao que estamos acostumados nas nossas cidades, grandes e pequenas, não é mesmo?

A ilustração abaixo é de uma dessas infraestruturas, recém completada em Barcelona: uma biblioteca combinada com um pequeno centro de atividades para pessoas idosas.

__________________
OBS.: Comentários são muito bem vindos e será um prazer respondê-los mas só serão publicados e respondidos aqueles que tiverem autoria (nome + email, por favor). Obrigado.




4 comentários:

TO disse...

Edson, sim, devemos sempre lembrar as autoridades de seus deveres! e não esqeucer qeu o nível de uma administração se mede pela higiene. Se não há verba para construir oq tu mostras (maravilhoso), pelo menos mantenha-se a cidade e seus banheiros públicos impecáveis. Em algum lugar precisa aparecer a excelência, nem que seja como lembrete de como tudo deveria ser

Edson Mahfuz disse...

totalmente de acordo, to. e também as calçadas deveriam ser cuidadas, e o mobiliário urbano, etc.

só um lembrete: cada país com o seu nível tecnológico. o que me interessa no exemplo é muito mais o fato de existir o equipamento do que a sua qualidade como objeto.

Diego Schmidt (lotaH) disse...

Aqui em Porto Alegre poderia começar acabando (ou organizando) as pichações. É o mínimo de higiene e respeito com nossos viadutos, nossos prédios e nossas estátuas e esculturas. Lembro que "tinta anti-pichação" só funciona se for limpo o local depois de violado. Ótimo post... ;)

kuinzytao disse...

Penso que um espaço de interação em um bairro pode sim atrair cooperação e motivação cultural. O prédio é lindo, uma visão quase surreal.
Uma biblioteca do bairro é uma idéia muito boa eu diria até necessária. Sabe, poderia até ser a biblioteca da escola pública, que fica fechada a maior parte do tempo e funciona apenas meio expediente, uma ou duas vezes por semana. Vou divulgar seu texto no http://www.meiapalavra.com.br