REVERTENDO A SEGREGAÇÃO E O ISOLAMENTO

Há muitas décadas tem sido comum no Brasil copiar o que acontece nos Estados Unidos. Isso acontece em todas as áreas e não seria diferente na arquitetura e no urbanismo. Assim, ao longo da segunda metade do século passado “importamos” uma série de coisas, na esperança de elevar o nosso status como país pela adoção de práticas associadas à maior noção do mundo. Foi assim com os edifícios tipo “caixa de vidro”, na origem associados ao poder das grandes corporações multinacionais, com as comunidades muradas, com a suburbanização – ou seja, o afastamento dos centros urbanos – e com a prática de vestir edifícios contemporâneos com elementos históricos.

Dois fatos acompanham essas importações: acontecem sem maiores adaptações às condições locais e normalmente muito tempo depois de terem surgido por lá, quando já começam a ser rejeitadas na sua origem. Se poderia acrescentar que as importações são feitas de modo acrítico, sem avaliar o seu impacto a médio e longo prazo, coisa que é natural em um tipo de sociedade que vive olhando para o próprio umbigo e cujo objetivo é quase sempre o lucro imediato.

Agora surge nos Estados Unidos algo que mereceria ser importado, mesmo que venha de encontro a algumas importações anteriores. Se trata de um movimento que visa corrigir alguns dos muitos problemas dos subúrbios residenciais, que a partir das preocupações com sustentabilidade urbana têm se mostrado inteiramente deficientes.

Uma das medidas sendo tomadas visa encorajar a criação de bairros em que se possa fazer várias atividades caminhando. Para que isso seja possível as ruas devem ter continuidade e fazer parte de uma rede viária que conecte cada setor com as demais áreas residenciais e comerciais. Na imagem abaixo pode-se ver um típico exemplo de conjunto residencial suburbano, em que há somente uma conexão com uma via coletora, sendo impossível sair de lá sem tomar essa via. O que para muitos pode parecer uma vantagem é na verdade um problema que compromete a qualidade de vida no bairro.


Muitas prefeituras estão estipulando regras que dificultam esse tipo de urbanismo, tornando praticamente inviável o uso de ruas sem saída, que no jargão urbanístico são chamadas em todas as partes de cul-de-sac


Com isso estão reconhecendo oficialmente a ineficiência de um modelo de cidade espalhada e segregada, que leva a custos muito maiores de infra-estrutura e a altos níveis de poluição e consumo dos bens naturais, por exigir o uso permanente do automóvel – é comum que cada família residente nos subúrbios americanos tenha um carro por membro habilitado a dirigir.

Em postagens anteriores já critiquei a cidade segregada e fiz elogios aos bairros tradicionais mas gostaria de voltar ao assunto enfocando de outro modo o problema da segregação. Além de todos os problemas já mencionados de viver em um gueto, há um custo humano enorme a ser pago. Nas famílias que decidem viver em comunidades fechadas ou subúrbios longínquos – ambos quase sempre servidos por transporte público ineficiente ­– os jovens em idade inferior à mínima para dirigir e os idosos que não querem/podem mais dirigir se tornam dependentes de outras pessoas para se locomoverem. Uma consequência disso é o sacrifício profissional de um dos membros do casal, que se torna motorista não remunerado. Outra é a necessidade inescapável de possuir mais de um automóvel e de até contratar um motorista particular. O resultado final de situações como essa é uma baixa qualidade de vida, não importando se quem está envolvido nelas tem alto poder aquisitivo, que é muitas vezes o caso.

Portanto, aí está algo que poderíamos importar dos Estados Unidos e que resultaria em benefícios perceptíveis para a qualidade de vida de muitos brasileiros.

_________________

OBS.: Comentários anônimos não serão considerados. Só serão publicados e respondidos aqueles que tiverem autoria (nome + email, por favor). Obrigado.

5 comentários:

Rosana Guarese disse...

Gostei muito do texto, como todos do blog tratando de conceitos técnicos de maneira muito clara e objetiva ,com linguagem que permite um ótimo entendimento. Aqui em Bento Gonçalves recebemos muitas propostas de parcelamento com claro objetivo de gerar o maior número de lotes, sem preocupação com situações de segregação ou com um traçado urbano de qualidade. Teria algum exemplo de cidade que tenha adotado medidas para dificultá-las, para que possamos aprender com estas experiências? Obrigada.

Edson Mahfuz disse...

oi rosana,
obrigado pela participação. aqui está o link para o texto que me abriu os olhos para o tema (http://tinyurl.com/ykyzlr6). de lá podes ir atrás de mais informação.
abraço.

maryoxinaga disse...

Olá Edson, boa noite.
Vc veio a Sampa? Acabei sem o papo esperado. Novamente, creio, pelo meu descuido com o celular.
Quanto ao seu texto, me lembra o que alguns colegas defendem como NEW URBANISM, que tem origem num empreendedor que experimentou a novidade de grupamentos ao inves de isolamentos em lotes individuais. Tem uma literatura até antiga, dos anos 70, chamada PERFORMANCE PLANNING, voltada para a eficiencia de uso e ocupação do solo. Parece que depois de decadas resultou nesse New Urbanism.
Abraços. Mário Yoshinaga
continuo em www.qualidadeurbana.blogspot.com

Aline Bueno disse...

Olá Prof. Mahfuz,

Gostaria de parabenizá-lo pelo blog! Muito bom ver um professor usando a web pra falar sobre o que pensa. E gostaria de divulgar o meu blog: http://ojovemarquiteto.wordpress.com/ Estou no 1º semestre da PUCRS e uso o blog pra ir estudando sobre o assunto :)

abs

Marcus Weber disse...

Olá Prof. Mahfuz!
Aguardo novidades no blog!

Abraço,
Marcus Weber.