CONDENAÇÕES SUMÁRIAS II

A resposta dos visitantes à minha postagem anterior me encheu de satisfação, pois cumpriu o objetivo deste blog: discutir arquitetura fora dos ambientes fechados da profissão. Tão instigantes foram as observações que resolvi tecer uma série de observações em uma postagem especialmente dedicada a isso.

Vamos lá. Em primeiro lugar, todas as opiniões são respeitáveis. Me cabe argumentar em favor do que penso e esperar que da troca de opiniões alguma coisa possa mudar.

Durante o pouco tempo de existência deste blog ficou comprovada uma de suas premissas: um abismo separa a arquitetura de verdade do seu público. O público usuário está acostumado a uma arquitetura anódina e sem ambição, cujo único objetivo é comercial. Não é que não exista boa arquitetura no Brasil, mas seu número é ínfimo comparado à massa de construções realizada aqui.

A falta de convivência com uma arquitetura mais ambiciosa e baseada em conceitos deixa o público perdido quando se defronta com um dos seus exemplares. Daí as fortes reações negativas, não apenas contra o prédio de Siza, mas também contra obras de importância similar como, por exemplo, o projeto de Paulo Mendes da Rocha para a Praça do Patriarca em São Paulo.

É óbvio que todos têm o direito de não gostar e protestar contra obras como a de Siza, ou de Paulo Mendes da Rocha, ou de Niemeyer, para extender o número de alvos. Mas porque não dedicam igual animosidade aos horrores e vulgaridades cometidos diáriamente pela má arquitetura? Nunca ouvi ninguém protestar contra certos edifícios comerciais construídos em Porto Alegre, verdadeiros monstros que ofendem qualquer olhar mais sensível.

Porque só os arquitetos sérios e preocupados com a arquitetura são atacados, enquanto verdadeiros mercenários, que tratam a arquitetura apenas como meio fácil de enriquecer, não dando a mínima para a cidade, são --na melhor das hipóteses-- deixados em paz ou –na pior-- aclamados pela população?

Sobre o projeto de Siza para a FIC, só terei uma opinião formada depois que estiver em uso, até porque ainda é uma obra. Seria injusto com Siza e com a Arquitetura, além de muito pouco profissional da MINHA parte, emitir juízos definitivos antes de conhecê-lo em profundidade e vê-lo em uso.

Mas posso falar algumas coisas que sei sobre o edifício e sobre arquitetura:
1. Ao fechamento exterior do edifício corresponde uma surpreendente luminosidade interior, resultado da presença de várias clarabóias e da cor branca predominante.
2. O tema da relação de um edifício com a paisagem tem sido resolvido de duas maneiras predominantes: ou abrimos o edifício para a paisagem de modo quase total, ou o fazemos seletivamente, abrindo-o em pontos estratégicamente escolhidos como um meio de não banalizar a vista e de aumentar o seu impacto. Este parece ter sido o caminho adotado por Siza.
3. Ser diferente do que está em volta ou do que já foi feito não qualifica por si só nenhum projeto como arquitetura. Há muita arquitetura de alta qualidade que não possui esse atributo.
4. Espelhar a função não é um dos ideais da arquitetura senão apenas uma das suas possibilidades.
5. Quando harmonizar com o entorno for um objetivo –nem sempre o é e há situações em que não deveria ser— há muitos modos de fazê-lo sem mimetizar as formas naturais ou os edifícios circundantes. No caso da FIC, o terreno apertado –que obrigou o estacionamento a ser localizado sobre a avenida— e o valor ambiental da antiga pedreira têm muito a ver com o posicionamento do edifício de Siza. A vizinhança é arquitetonicamente pobre, sobrando apenas o Guaiba como referência importante.

Concluindo, repito: não estou defendendo Siza, nem seu projeto, mas a arquitetura e o direito tanto dos arquitetos de tentar realizá-la como do público de usufruí-la e, eventualmente, de criticá-la.

8 comentários:

to disse...

bingo, edson!
pq ninguém critica os horrores arquitetônicos cotidianos?
dever ser, porque não adiata nada mesmo. a solução seria não comprar.
mas para isso precisa "enxergar!".

Anônimo disse...

Oi Mahfuz,
Achei por acaso seu blog e já li quase todos os artigos escritos nele. Parabéns por essa iniciativa.
Recentemente li seu livro "Ensaio sobre a razão compositiva" e discuti em sala de aula no mestrado do PPGAU/UFRN, assim como um artigo seu publicado no PROJETAR 2003 "Reflexões sobre a construção da forma pertinente".
Concordo com suas "condenações sumárias II" e espero que a sociedade mais leiga em arquitetura aprenda a discutir melhor um projeto.
Até o próximo!
Fernando Galvão.

Jorge Amado FJ disse...

Aqui em Belém tem cada coisa grotesca... E o pior, são adoradas como deuses. Eu já tava achando que Arquitetura deveria ser óbvia e superficial para se ter valor, mas agora vejo que o problema está nos 'adoradores'. Se alguém construir algo como essa obra do post anterior, é capaz de jogarem uma bomba... A Arquitetura comercial aqui está dominando, o que sufoca muito quem que experimentar por outras vias.

falou.
Jorge A Jacques - jorgeafj@hotmail.com

Jorge Amado FJ disse...

Ah, e se me permite uma observação, pelo que li em comentários anteriores acho que muitos profissionais deveriam voltar às cadeiras da universidade ou se reciclarem de alguma forma. Perderam a noção de avalaiar a arquitetura e o fazem apenas pela foto e olhar externo (como se ve uma escultura), sendo que não existe arquitetura sem sua vivência, sem o ser humano presente, indo além da 3.ª dimensão. Por isso o Brasil está longe de ser referência forte no exterior. Por isso tb agradeço a Niemeyer por ter existido e iniciado um processo aqui que ainda está engatinhando...

Elenara Stein Leitão disse...

Edson,

Em primeiro lugar quero te parabenizar pela iniciativa de falar sobre arquitetura com uma linguagem clara e com qualidade.

Tive a oportunidade de assistir a aula magna na UFRGS onde o Alvaro Siza expos a concepção do FIC. Como arquiteta já tinha uma outra disposição apra analisa-la, após a explanação do autor, essa disposição se abriu ainda mais. Ela ainda me intriga formalmente, mas entendo os motivos que a levaram a ser assim. também espero a sua concretização para poder senti-la melhor. Até lá diria que ela é instigante se presta para criar essa polêmica, em tudo interessante, já que se pode discutir conceitos de arquitetura e não apenas gostos.

Parabéns !

Edson Mahfuz disse...

elenara,

obrigado pela participação. te peço para dirigir a outra pergunta para o meu endereço de email. é que não quero que este blog vire uma discussão entre arquitetos, já que seu propósito é falar em arquitetura para os não-arquitetos.

abraço.

Thiago disse...

Oi Mahfuz. Estou lendo seu livro Ensaio Sobre a Razão Compositiva, to curtindo demais! Eu acabei de me formar. Eu li sobre psicologia da Gestalt e muito sobre Gestalt terapia, que é o enfoque existencial da gestalt, fora a percepção visual que é só uma parte. Tenho compreendido que os mesmos princípios que regulam uma boa arquitetura são os que regulam uma boa conversa, uma boa comida, um bom dia, uma boa vida. Quero dizer que os princípios a partir do qual uma pessoa percebe o mundo, independente de qual sentido é afetado, são os mesmos, e qual organização é inerente a algo bom. Se um arquiteto tivesse que projetar uma escola para cegos, ele se preocuparia em administrar certas propriedades dos materiais e espaços que ele usa que não costuma, como os sons/ecos que produzem, textura ao toque, etc, o calor ao invés da mera consideração da insolação, etc. Ele talvez organizasse o eco dos ambientes da mesma forma que resolveria tratar da visualização dos espaços. É claro que no fim o volume tem a ver com o som que o lugar produz ou como a forma que sons ecoam nele, mas tô falando mais do enfoque do arquiteto. Enfim, tô lendo seu livro com base nisso. Parabéns! To gostando demais e aprendendo muito.

Edson Mahfuz disse...

thiago,

fico contente que este blog e o meu livro te agradem. os dois tem o mesmo objetivo: fazer o leitor pensar sobre arquitetura. um abraço.